37 é febre

37 é febre? Será que é necessário mesmo intervir com as gotinhas?

Eu mesma já tive dúvida se 37 é febre e me desesperei! Aliás, quem nunca se desesperou com febre infantil que atire a primeira pedra!

Em nossa cabeça de mãe passa um zilhão de coisas, desse modo, ficamos confusas sobre o que fazer. Mas antes de tudo, vamos entender o que é febre.

Febre infantil

37 é febre?

37  é febre? Foto: Portal Drauzio Varella

A febre infantil é um aumento temporário da temperatura do corpo da criança, muitas vezes devido a uma doença.

Contudo, a febre pode ser um forte indício de que há algo errado no organismo, desse modo, ela funciona como se fosse um sinal de alerta!

Por exemplo, a febre pode ser um alerta de uma infecção causada por vírus ou bactéria. Por isso, é muito importante ter um termômetro em casa, para poder informar ao médico a temperatura exata.

Quando devemos nos preocupar com a febre?

37 é febre?

37 é febre

Certamente será uma missão impossível, dizer para uma mãe que existe um estágio para ela se preocupar com a febre. Pois a partir do momento que percebemos um mal estar ou uma temperatura mais quente, nós já nos preocupamos. Isso se chama zelo de mãe.

Entretanto, de acordo com o Dr. Drausio Varella, existe uma variação térmica que deve ser levada em conta para tomada decisões, conforme abaixo.

A temperatura corpórea

A temperatura corpórea considerada ideal varia entre 36 ºC e 36,7 ºC. Geralmente, ela é mais baixa pela manhã e mais alta no fim da tarde ou à noite.

Alterações de até um grau podem ser absolutamente aceitáveis em condições normais. Nas mulheres, por exemplo, após a ovulação, durante o ciclo menstrual e no primeiro trimestre da gravidez, ocorre uma elevação natural da temperatura.

Os infectologistas estabelecem os seguintes limites para caracterizar a febre:

  • De 37,3 ºC a 37,8 ºC: Febrícula, ou seja estado febril;
  • Acima de 37,8 ºC: Febre.

O uso de antitérmicos

A verdade é que a automedicação será sempre arriscada em todos os sentidos.  E quando o assunto é febre, como já mencionei, é um sinal de alerta do organismo. Desse modo, medicar sem diagnosticar pode ser prejudicial.

Sendo assim, o uso indiscriminado de antitérmicos nunca será a melhor saída, uma vez que não atuam sobre a doença que desencadeou a subida da temperatura, só diminuem a febre.

É como a pediatra do meu filho sempre me diz: muito mais que baixar a febre, precisamos entender o que está ocasionando, para tratar na raiz.

Já ouviu a expressão “os anticorpos estão lutando”?

“A febre de até 38,6 °C otimiza o sistema imunológico”, confirma a pediatra Joelma Gonçalves Martin. “Ou seja, ficar um pouco mais quente do que o normal ajuda a criança a se defender, porque a produção de anticorpos protetores aumenta, recrutam-se algumas células de defesa de maneira mais rápida e inibe-se a multiplicação de diversos micro-organismos”, explica (Saúde Abril).

O diálogo com o pediatra é extremamente importante:

37 é febre?

37  é febre?

Decerto, eu entendo que nem sempre há possibilidade de ter uma diálogo, com o pediatra. Uma vez que, muitas mães dependem do nosso sistema de saúde público. E isso acaba dificultando, mas mesmo nestes casos, a automedicação não é saída.

Aliás, a revista científica de pediatria americana Pediatrics, lançou um alerta  sobre o uso indiscriminado de antitérmicos. No artigo assinado por especialistas da Academia Americana de Pediatria, os médicos recomendam que não se recorra a esse tipo de remédio com o objetivo exclusivo de reduzir a temperatura corporal .

“Infelizmente, muitos pais têm um medo exagerado e irracional da febre”, lamenta o pediatra Jayme Murahovschi. É aí que mora o perigo.

Quando existe a possibilidade do diálogo com o pediatra da criança, ela poderá instruir a necessidade de medicamento ou não.

Por exemplo,  se a criança está quente, mas continua correndo pela casa, não é preciso medicá-lo. O maior medo dos pais – e eu me incluo nisso – é a tão falada convulsão por febre.

Calma, eu sei é complicado entender e confiar! Mas não é só porque a criança está com a febre alta que ela terá uma convulsão.

Antes, eu também carregava este desespero. Quando olhava no termômetro e estava 38.7 °C eu quase surtava. Até entender que existe uma suscetibilidade a crises convulsivas desencadeadas por febre. As convulsões febris podem ser um problema de família.  Desse modo, vale ressaltar que não é uma regra que toda febre 39º vai gerar uma convulsão.

Apenas uma parcela muito pequena das crianças está sujeita a isso, e geralmente há uma forte predisposição genética. As crises convulsivas podem ser desencadeadas apenas quando a temperatura está subindo rapidamente, quando a criança tem em torno de 6 meses a 6 anos e apenas se ela tiver a predisposição.

Contudo, se a febre da criança está constante e acima de 37.8º é de suma importância, que o pediatra esteja ciente, para que possa diagnosticar a causa e medicar se necessário de forma prudente.

Dicas de como baixar a febre em crianças

37 é febre?

37 é febre?

Ela vem do nada, pelo menos é esta impressão que temos. De repente, você percebe que seu filho está meio “amoadinho”, coloca a mão na testa dele e sente aquele calorão… É febre.

Mas você sabia que a maior parte das crianças recuperam-se de febres comuns naturalmente, com o tempo, conforme o sistema imunológico age? Pois é, duro é confiramos não é mesmo? Uma vez que o estado febril traz sintomas desagradáveis, e é por isso que muitas mães apelam para medicamentos. Mas, existem algumas formas de você auxiliar a criança sem medicamentos, veja só:

Como baixar a febre?

  1. Faça compressas:  Parece coisa de vó, mas é excelente! Faça nas articulações e na testa, mas se a criança ficar incomodada melhor não insistir, para não se tornar mais desgastante.
  2.  Repouso: Elas ficam inquietas e chorosas, mas um aconchego de mãe sempre colabora, não precisa obrigar a dormis, só descansar. Se a criança fica agitada, o metabolismo aumenta e, consequentemente, a temperatura do corpo também.
  3. Beber muito líquido: A água será sempre a fiel escudeira! Quando a criança está com febre, ela transpira mais. A evaporação do suor rouba a água do corpo e essa perda de líquido pode provocar desidratação. Por isso, é importante mantê-la hidratada.  Importante: Não force a criança, vai oferecendo de forma moderada, para evitar que a criança vomite, pois normalmente quando ela está com febre ela não quer comer ou beber nada.
  4. Colocar roupas leves: Quando a febre vem a criança se queixa de frio e quando ela estabiliza, vem a sensação de calor. Por isso, é importante prestar atenção às roupas, para que a criança fique confortável. Prefira tecidos leves, como algodão.

Para concluir, veja o video do Dr Drausio Varella a respeito de antitérmicos:

Espero ter contribuindo e antes de finalizar, recomento que leia este artigo também:

Que tosse seca! Veja as dicas para acabar com o cof, cof!

Um beijo e até breve! <3