Um desabafo ecoou!Mãe pede que pai seja mais participativo

Mãe pede que pai seja mais participativo-Achei que fosse super heroína, mas não sou! 🙁

Já falei aqui no blog, que as vezes nós mães nos cobramos tanto, não aceitamos falhar! Achamos que somos de ferro, basicamente uma incrível super heroína! Tem horas que parecemos mesmo, pois passamos por cada situações, que parecemos super leoas protegendo os filhotes.

Mas agora falando de mãe para mãe, precisamos de ajuda! Sim, precisamos! E afirmo que quando o pai é participativo na criação dos filhos, em todos os sentidos, me refiro “colocar as mãos na massa” a família só tem a ganhar!

Por isso quando vi o desabafo desta mãe nas mídias sociais: “Mãe pede que pai seja mais participativo” não tive dúvidas em compartilhar.

Em carta publicada no Facebook, Celeste Erlach explica ao pai de seus filhos por que precisa dele.

Mãe pede que pai seja mais participativo
(@theultimatemomchallenge/Facebook) -Mãe pede que pai seja mais participativo

Mãe pede que pai seja mais participativo:

“Eu. Preciso. De mais. Ajuda”. E foi desta forma que ecoou nas mídias sociais o desabafo desta mãe, destinado ao marido, sendo compreendida por várias mães.

Isso ocorreu no último dia 18, Celeste Erlach norte-americana compartilhou em seu Facebook um carta extensa que fala sobre o sobrepeso da maternidade.

O que levou ela fazer isso? Como pode?

Com certeza uma gota d’água, a auto cobrança desencadeada de uma sobrecarga emocional e física.

A noite passada foi difícil para você. Pedi para você cuidar do bebê, para que eu pudesse ir dormir um pouco mais cedo. O bebê estava chorando. Gritando, na verdade (…) Você entrou no quarto 20 minutos depois, com o bebê ainda chorando freneticamente. Você colocou o bebê no bercinho e suavemente empurrou-o para um pouco mais perto do meu lado da cama, um gesto claro de que você tinha terminado de cuidar dele“, relatou Celeste, que lembrou ainda: “Eu queria gritar com você. Eu queria começar uma briga épica bem naquele momento“.

No decorrer da carta Celeste (mãe de duas crianças), não exitou em descrever as qualidades do esposo como pai e como marido, mas não pode deixar de citar que apesar dele ser tudo isso e mais um pouco, ela precisava que ele fosse mais participativo.

Parte de mim faz com que eu sinta que falhei só de pedir. Quero dizer, você ajuda. Você é um pai maravilhoso e faz um ótimo trabalho com as crianças. Além disso, isso deveria ser fácil para mim, certo? Instinto de maternidade, não? Mas sou humana e estou funcionando à base de cinco horas de sono e cansada para caramba. Preciso de você“…

Um ponto importante que Celeste comentou também foi a comparação de tempo no que se refere a força das nossas mães, elas pareciam ser mais fortes que nós!

Nossas mães eram as super-mulheres que mantinham a dinâmica familiar. Cozinhar, limpar e criar as crianças. Qualquer ajuda do pai era bem-vinda, mas inesperada. Eu nos vejo caindo nessas dinâmicas familiares mais e mais a cada dia. Minha responsabilidade de alimentar a família, manter a casa limpa e cuidar das crianças está presumida, mesmo quando eu volto ao trabalho“, disse no texto.

Veja a carta na íntegra

Mãe pede que pai seja mais participativo
Mãe pede que pai seja mais participativo

“Querido marido,

Eu. Preciso. De. Mais. Ajuda.

A noite passada foi difícil para você. Pedi para você cuidar do bebê, para que eu pudesse ir dormir um pouco mais cedo. O bebê estava chorando. Gritando, na verdade. Eu podia ouvi-lo do andar de cima e meu estômago deu um nó só com o barulho. Eu me perguntava se deveria descer e aliviá-lo ou apenas fechar a porta para tentar tirar o sono de que eu tanto precisava. Eu escolhi a última opção.

Você entrou no quarto 20 minutos depois, com o bebê ainda chorando freneticamente. Você colocou o bebê no bercinho e suavemente empurrou-o para um pouco mais perto do meu lado da cama, um gesto claro de que você tinha terminado de cuidar dele.

Eu queria gritar com você. Eu queria começar uma briga épica bem naquele momento. Eu tinha olhado o bebê e a criança mais velha o dia inteiro. Eu ia precisar acordar com o bebê para amamentá-lo a madrugada toda. O mínimo que você poderia fazer ela segurá-lo por algumas horas no início da noite para que eu pudesse tentar dormir.

Apenas algumas horas de sono precioso. É pedir muito?

Sei que nós dois observamos nossos pais fazerem os típicos papéis de mãe e pai enquanto crescíamos. Nossas duas mães eram as principais cuidadoras e nossos pais não colocavam tanto a mão na massa. Eles eram pais excelentes, mas não era esperado deles que passassem uma quantidade significante de tempo trocando fraldas, alimentando e cuidando das crianças. Nossas mães eram as super-mulheres que mantinham a dinâmica familiar. Cozinhar, limpar e criar as crianças. Qualquer ajuda do pai era bem-vinda, mas inesperada.

Eu nos vejo caindo nessas dinâmicas familiares mais e mais a cada dia.

Minha responsabilidade de alimentar a família, manter a casa limpa e cuidar das crianças está presumida, mesmo quando eu volto ao trabalho. Eu me culpo pela maior parte disso também. Abri o precedente de que posso fazer. E, na verdade, eu até quero fazer. Sem querer ofender, mas não tenho certeza de como ficaria uma semana de jantar se você estivesse responsável por isso.

Também vejo minhas amigas e outras mães fazendo tudo isso, e fazendo isso bem. Sei que você também vê. Se elas conseguem dar conta, e se nossas mães fizeram isso tão bem por nós, por que eu não poderia?

Não sei.

Talvez nossos amigos estejam encenando seus papéis em público e passando por dificuldades secretamente. Talvez nossas mães tenham sofrido em silêncio por anos e agora, trinta anos depois, elas simplesmente não se lembram de como foi difícil. Ou talvez, e isso algo em que penso e pelo qual me culpo todos os dias, eu não seja tão qualificada para o cargo como todo mundo. E por mais que eu me sinta pequena só de pensar nisso, vou dizer: preciso de mais ajuda.

Parte de mim faz com que eu sinta que falhei só de pedir. Quero dizer, você ajuda.

Você é um pai maravilhoso e faz um ótimo trabalho com as crianças. Além disso, isso deveria ser fácil para mim, certo? Instinto de maternidade, não?

Mas sou humana e estou funcionando à base de cinco horas de sono e cansada para caramba. Preciso de você.

De manhã, preciso que você arrume nosso filho mais velho para que eu possa cuidar do bebê e preparar os lanches de todos, além de tomar uma xícara de café. E não, arrumar nosso filho não significa plantá-lo de frente para TV. Significa ter certeza de que ele foi ao banheiro, dar a ele algo para comer no café da manhã, ver se ele quer água e arrumar sua mochila para a escola.

À noite, preciso de uma hora para descomprimir na cama, sabendo que nosso filho mais velho está dormindo no seu quarto e que o bebê está sob seus cuidados.

Eu sei que é difícil ouvir o bebê chorar. Acredite em mim, eu sei.

Mas se eu puder olhar e acalmar o bebê na maior parte do dia, você também consegue fazer isso por uma hora ou duas à noite. Por favor, preciso de você.

Nos finais de semana, preciso de mais intervalos. Preciso de momentos para poder sair de casa sozinha e me sentir como um indivíduo. Mesmo que seja apenas uma volta no quarteirão ou um pulo no supermercado. E, em alguns dias, quando eu marcar aulas de natação e encontros para as crianças brincarem, e quando parecer que está tudo sob controle, preciso que você me ofereça ajuda. Ou que sugira que eu vá deitar enquanto as crianças tiram uma soneca. Ou que tire os pratos da mesa sem que eu precise sugerir isso. Eu preciso de você.

Por último, preciso ouvir que você é grato por tudo que eu faço. Quero saber que você repara quando a roupa está lavada e quando um bom jantar foi preparado. Quero saber que você gosta do fato de eu amamentar o tempo todo e que eu ordenhe o leite no trabalho, quando seria muito mais fácil para mim amamentar o bebê com fórmula. Espero que você note que eu nunca pedi que você ficasse em casa quando tem eventos de network ou atividades esportivas. Como a mãe, é presumido que eu ficarei em casa o tempo todo e estarei sempre disponível para cuidar das crianças quando você estiver fora e eu alimentei essa crença, bem, ficando em casa o tempo todo.

Sei que não é como nossos pais fizeram e odeio ter que pedir. Eu queria poder fazer tudo e fazer com que isso pareça fácil. Eu queria não precisar de créditos por fazer coisas que a maioria das pessoas esperam de uma mãe. Mas estou aqui levantando uma bandeira branca e admitindo que sou apenas humana. Estou dizendo o quanto preciso de você e que, se eu continuar no ritmo em que estou, vou quebrar. E isso machucaria você, as crianças e nossa família.

Porque, vamos encarar os fatos: você precisa de mim também.”

A culpa que nos persegue

Mãe pede que pai seja mais participativo
Mãe pede que pai seja mais participativo

Eu acredito que muitas mães, já se sentiram como ela! Esta culpa que as vezes nos martiriza de acharmos que deveríamos dar conta de tudo. E que nos faz sentir incapazes do “cargo” de ser mãe e esposa.

O primeiro passo é deixarmos claro para nós mesmas, que não se trata de um “cargo” e sim de uma entrega por amor a nossa a família. E que acima de tudo somos humanas, podemos falhar sim! Precisamos de ajuda o tempo todo!

Esposos:

Mãe pede que pai seja mais participativo
Mãe pede que pai seja mais participativo

Vocês são sacerdotes! São ombro amigo e braços fortes! A ajuda que vem de vocês em todos os sentidos, nos faz sentir acolhidas! Nós faz sentir mulheres valorosas!

O colocar as mãos na massa conosco, nos mostra que vocês estão envolvidos no relacionamento com um “todo”. Nos ajuda a compreender que não se trata de cargo e sim de amor!

Espero ter contribuído e  se você estiver passando por algo assim, acredito fielmente que o dialogo é a melhor saída. As vezes eles não compreendem claramente como precisamos deles.

Sugiro também que leia este dois artigos sobre puerpério  e fórmula para auxiliar na educação dos filhos.

Um beijo e até a próxima!

 

 

Valéria Queiroz

Valéria Queiroz

Mamãe de um menino fofo (Biel), publicitária, diretora comercial da Nairuz, bem humorada, acredita que a família é a base de tudo.Foi fisgada por este universo de amor sem medidas, quando ficou gravidinha, desde então mergulhou na maternidade e ama estar conectada com todos que não conseguem manter os pensamentos longe deste assunto. “O universo mamãe é algo incrível”.

Comentários no Facebook