Coronavírus ou covid 19 a pandemia que assola a saúde emocional e física.

O coronavírus ou covid 19: A doença provocada pela variação originada na China foi nomeada oficialmente pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como Covid-19, em 11 de fevereiro.

Entretanto, hoje não vim falar somente de cuidados, ou como estão os países ao nosso redor, mas quero convidar-lhe a abrir sua janela e tentar ver do outro lado.

E foi assim, aparentemente tão rápido e ele chegou

Coronavírus ou covid 19

Coronavírus ou covid 19

Acordamos e ele já estava no Brasil, com o primeiro caso e parecia tão distante, mas não estava!

E desde então, os casos foram aumentando por todo nosso país, os noticiários em todo mundo falando da necessidade de isolamento.

Inegavelmente, em nossa cabeça um cenário de guerra, aguardando o que está por vir! Várias reflexões nos canais sociais das pessoas, umas já de quarentena, outras pelas ruas cumprindo suas rotinas desenfreadas. Um deles, especificamente, me fez abrir a janela da alma:

De repente acordamos e tudo mudou.
Na Disney acabou a magia, a muralha da China deixou de ser tão forte, em New York todos dormem e mais nenhum caminho leva a Roma.
As praias estão desertas, as escolas e igrejas vazias, os trabalhadores autônomos desesperados, pois seus sustentos provém do trabalho de suas mãos. Os assalariados, não tem escolha.
Os abraços e beijos se transformaram em armas perigosas e a escassez de produtos nos mercados mostra o quão egoístas somos.
Um vírus foi coroado como rei, causou pânico mundial e caímos na real o quão frágeis e dependentes de Deus nós somos.
Mas Deus prometeu estar conosco até o fim. Essa é a nossa segurança. Apegue-se a isso!

E lá fora?

Coronavírus ou covid 19

Coronavírus ou covid 19 – a pandemia que tirou a paz, que tirou os encontros.

Lá fora, há vozes que ecoam, de verdadeiros guerreiros! Que estão na frente da batalha, se expondo literalmente em favor de outros. Perceba que não se trata apenas de trabalho ou empatia. Trata-se de amor!

Uma campanha de apelo é criada, para instruir a população, com o objetivo de evitar a proliferação do coronavírus:

Nós estamos aqui por você! Por favor, fiquem em casa por nós!”, diz os cartazes publicados nas redes sociais das unidades

Ele não são mártires!

Certamente, não são mártires, mas merecem os nossos aplausos e as nossas orações! Pois estão à frente da batalha.

“Trabalhamos o tempo todo, não temos mais turnos. Não vejo minha família há quase duas semanas porque tenho medo de infectá-los”, disse Daniele Macchini, médica de um hospital de Bergamo (norte), no Facebook.

O cenário:

Para pessoas no geral é muito complicado lidar com o que não se pode ver. Aliás,  nós lidamos com um inimigo invisível aos nossos olhos.  Assim sendo, é algo complicado, não está estampado na cara de ninguém que ela porta aquele vírus.

Decerto, não podemos ir para uma guerra subestimando um inimigo que não conhecemos.  Contudo, não podemos subestimar o coronavírus.

Não há medicamentos especiais no momento. A única medida é se afastar. A questão da higiene. Mudar hábitos é muito difícil. O contato para o vírus é extremamente importante. Ele não mata o hospedeiro, mas se difunde. Apesar de não ter índice de letalidade do ebola. (Dra Renata Naves Mendonça trabalha temporariamente em hospital na cidade de Milão)

E o que era rotina se torna saudades ou boas lembranças

Estamos de quarentena, nossa casa se torna de fato o nosso refúgio! Abraços e beijos viraram armas e não visitar os pais e os avós virou um ato de amor…

Há uma desconexão do que era rotina, gerando em nossa mente saudades! Voltando os nossos olhares para as coisas simples, que as vezes não dávamos o devido valor.

Agora é tempo de se isolar em casa, mas isso não significa entrar em pânico

As epidemias costumam provocar um pânico generalizado nas pessoas, principalmente quando não se tem total conhecimento sobre a doença. Esse tipo de situação pode abalar a saúde mental, causando estresse e ansiedade.

Os nossos pequenos precisam ficar cientes do que está acontecendo. Ao perceber que os pais estão estressados e ansiosos, eles reproduzem esse comportamento e acabam buscando mais apego ou sendo mais exigentes com os adultos.

Não adianta explicar “tecnicamente”, eles vão ter sua própria interpretação, aqui em casa por exemplo o Biel resumiu o corona da seguinte forma:

Ele é uma abelha gigante zangada, que vem atrás de nós! Gosta de brinquedos espalhados, mão suja e de criança que não escova os dentes.

Portanto, dê uma explicação condizente com a faixa etária deles e mantenha a rotina o mais normal possível, com zelo e precauções. Se seus filhos demonstrarem preocupação, ajude-os a gerenciar suas emoções e a aliviar a ansiedade.

Tudo isso vai passar! Te convido olhar do outro lado da janela

Tudo isso vai passar e saíremos mais fortes, dando valor ao que de fato importa! Precisamos nos apegar ao que nos trás esperança.

Contudo, seremos melhores em todos sentidos, se soubermos olhar do outro lado da janela. Saberemos aproveitar melhor o tempo com os nossos filhos e com quem de fato amamos! Saberemos administrar melhor as nossa finanças e o nosso tempo. Cuidaremos com mais zelo da nossa casa e do que vier em nossas mãos!

Um vírus não pode destruir a esperança e bloquear os sonhos! Do outro lado da janela, esta situação nos deixou mais fortes e mais criteriosos na definição de nossas prioridades.

Vamos em frente! Vamos fazer a “roda girar”!